Em período de seca causticante, uma das mais longas e sofridas enfrentadas pela população do sertão do interior do município, o crescimento do desemprego na agricultura e na fruticultura fez cair drasticamente a economia e ocasionou gravíssima redução na arrecadação local. Pior para as prefeituras que em muitos municípios do interior do Brasil são a maior e talvez as únicas geradoras de empregos para as populações mais pobres. 

Em Livramento, além da seca, o estado de caos em que foi deixado o município pela gestão passada agravou ainda mais a situação. Foi necessário promover a requalificação e organização da estrutura de funcionamento da máquina administrativa, priorizando ações e promovendo drásticas contenções de despesas.

A seguir, a firme atuação da nova gestão no que se refere às políticas de convivência com a estiagem prolongada, foi de fundamental importância para buscar amenizar e solucionar os problemas sociais vividos da população rural ante o fenômeno da seca.